PESCA NEWS - Pesca Oceânica

 Se você está achando que é só jogar o anzol na água. Que nada. O barco normalmente trabalha com seis linhas de pesca. Elas são colocadas nas varas e passam por braços – os outriggers, que servem para evitar que as linhas se enrosquem umas nas outras.

“A gente trabalha com a isca mais longe, e uma isca mais perto. O marlim às vezes ele vem e ataca a isca mais perto, às vezes ele fica pra atacar a isca mais longe. Quanto mais colorida é melhor”, explica Wellington.

“Você vai ver quando ele sair ali, aparecer a cara dele, você vai ver a coisa mais linda. Esse peixe ele muda de cor várias vezes. E geralmente quando a gente pega ele, ele está azul. Depois ele fica amarelo, dourado, tem uma hora que ele fica branco. É muito lindo. É uma paixão”, ressalta Eduardo.

A equipe consegue pegar uma cavala. Mas, esse foi só o primeiro peixe. A equipe foi atrás dos outros, sem esquecer do tão sonhado marlim. E como em toda boa pescaria, é preciso paciência. Funciona assim: o barco não fica parado.

O barco não para, porque na verdade eles querem capturar os grandes peixes que nadam a uma velocidade impressionante. Chegam a nadar a 80 quilômetros por hora, dependendo do tamanho, do peso, da força do animal. Então é o tempo todo assim. Passa o dia inteiro, horas e horas sempre navegando, navegando e com as vistas no mar.